Como verificar se sua moto “anda na linha”…

postado em: Como Fazer... | 0


De uns tempos pra outro sente que sua moto não está mais tão assim na sua mão? Corrija antes que piore!…

 

É bastante comum você sentir alguma diferença no comportamento de sua motocicleta ao decorrer do tempo e uso que se faz da sua parceira, mas alguns itens implicam diretamente na sua segurança e no seu bolso, situações que podem ser amenizadas ou totalmente sanadas quando detectadas à tempo. Basta não ignorar o seu “feeling”, um olhar atento e não mais do que 10 ou 15 minutos do seu tempo.

 

Rodas e Pneus 

Pneus gastos além do limite ou descalibrados podem comprometer a estabilidade e o poder de frenagem e aderência em curvas, fazendo abrir ou fechar a trajetória, geralmente “sem aviso prévio”! Lembre-se de calibra-los ao menos uma vez por semana e atenção à profundidade dos sulcos, e a maneira mais prática de se fazer isso é observando a marcação “TWI” existente nos pneus.

 

marca twi indica limite de uso

 

Pneus muito gastos podem ainda fazer aparecer um efeito conhecido como “shimmy”, que é quando percebe ao soltar o guidão e ver o mesmo virando de um lado ao outro de forma rápida e descontroladamente, que fatalmente pode resultar à beijar o asfalto!

Rodas empenadas ou descentralizadas além de vibrações indesejadas também interferem na dirigibilidade e conforto. Verifique de tempos em tempos seu alinhamento, se não existe folga nos rolamentos, e no caso das rodas raiadas, o aperto dos raios e se não tem algum faltando ou solto.

 

Rodas alinhadas e pneus calibrados

 

Suspensões

Diversos problemas podem ser detectados seja na suspensão dianteira ou traseira. Começando pela dianteira:

  • Vazamento de óleo: funcionamento irregular, podendo inclusive comprometer a frenagem caso atinja as pastilhas ou disco de freio,
  • Empenamento ou ovalização dos cilindros: suspensão “travando” ou com desvios de trajetória,
  • Folga ou desgaste acentuado das buchas internas: instabilidade direcional,
  • Mesas desalinhadas podem indicar alguma queda ou forte pancada,
  • Caixa de direção com folga ou travando: ocorre pois na maior parte do tempo os roletes estão sempre na mesma posição, sendo o elo de ligação entre a suspensão/chassi, recebendo todo o esforço transmitido.

Na suspensão traseira:

  • Folga nos rolamentos do quadro elástico: instabilidade ou funcionamento irregular do conjunto,
  • Folga ou desgaste das buchas dos amortecedores (no caso dos bi-choque), ou nos links, no caso das suspensões monoamortecidas,
  • Amortecedor com vazamento ou sem pressão, evidencia mal funcionamento, seja com retorno ou compressão muito rápidos, causa instabilidade direcional e desconforto seja em pilotagem sozinho ou com garupa. Fim de curso também é um sinal notado.

 

Chassi/Quadro

Principalmente ao se comprar uma motocicleta usada, um dos cuidados que pouca gente toma e é verificar a olho o alinhamento do chassi.

Claro que alguns outros componentes como as próprias suspensões podem influenciar no diagnóstico, mas pode acreditar, chassi empenado é muito mais comum do que se imagina.

Quantas e quantos são os casos de acidentes envolvendo motos em todo o país acontecem todos os dias? Mesmo quando aparentemente o acidente é “leve” (até esse dói!…), e visivelmente digamos “ah, mas só entortou as bengalas!”, “só amassou a roda!”, em 50% dos casos que eu particularmente já peguei, o chassi também sofreu algum tipo de dano.

E isso não é exclusividade de motos usadas não heim! Já houve casos de motos 0km saírem de fábrica com chassi empenado ou trincado!

Uma maneira de avaliar à “olho nú” é colocar a motocicleta alinhada em pé, de preferência em uma linha de referência com o guidão alinhado, como se fosse andar mesmo em linha reta. Afaste-se á uma posição de cerca de 2 ou 3 metros da motocicleta e abaixe-se para olhar o alinhamento da roda dianteira com a roda traseira, de preferencia com os dois olhos abertos: se estiver vendo mais um lado do que o outro, e o guidão estiver alinhado, pode ser sinal de chassi empenado.

Confira o alinhamento das mesas da suspensão, bengalas e quadro elástico, para ter a certeza que não irá interferir no diagnóstico.

Sabendo que em geral não é barato e um tanto trabalhoso fazer o alinhamento, pois dependendo do modelo da moto terá que desmonta-la praticamente por completo, fique atento à esses detalhes antes de fechar um negócio.

 

uma linha no chão torna-se referencia

 

Outros/Geral

Convém também verificar constantemente o aperto dos parafusos do motor, eixo do quadro elástico, da caixa de direção, folga da corrente e buchas da coroa, pastilhas e folga das lonas de freio, assim como o desgaste nos discos de freio.

Uma motocicleta usada faltando parafusos de fixação do motor é um mal indício, assim como fissuras e “rugas” ou soldas no chassi.

Enfim, se você já tem a sua moto à algum tempo e não quer que sua companheira te deixe na mão, ou está pensando em adquirir uma usada, fique atento a essas dicas e não compre gato por lebre, e saiba diagnosticar eventuais problemas que até são normais com o uso frequente do dia a dia, o que não pode é relaxar e ir sempre empurrando para depois, o que fará acumular problemas e aumentando os riscos e despesas.

 

discos de freio podem denunciar kilometragem alterada

 

 

 

Deixe uma resposta